Blog Urologia - Dr. Petronio Melo

Nefrectomia Parcial Robótica: Guia Completo sobre o Procedimento Inovador

nefrectomia parcial robotica

Introdução

 

Entendendo a Nefrectomia Parcial Robótica

A nefrectomia parcial é um procedimento cirúrgico que consiste na remoção de uma parte do rim afetada por uma massa tumoral, preservando o tecido renal saudável restante. Esta abordagem é frequentemente indicada para pacientes com tumores renais pequenos e localizados, pois permite a manutenção da função renal e reduz o risco de insuficiência renal no futuro.

A cirurgia robótica é uma técnica avançada que utiliza um sistema cirúrgico robótico, como o Da Vinci, para auxiliar o cirurgião durante a operação. Este sistema proporciona uma visão tridimensional e ampliada do campo cirúrgico e permite movimentos mais precisos e controlados, minimizando o risco de lesões em tecidos saudáveis e melhorando os resultados cirúrgicos.

A combinação da nefrectomia parcial com a cirurgia robótica resulta em um procedimento inovador e eficiente que oferece diversos benefícios aos pacientes, incluindo menor tempo de internação, recuperação mais rápida e menor risco de complicações quando comparado às técnicas tradicionais de nefrectomia parcial.

 

A Importância do Urologista Especializado

Para tratar problemas renais, como tumores, é fundamental procurar um médico especializado em urologia. Os urologistas são profissionais capacitados para diagnosticar e tratar uma ampla gama de doenças e condições que afetam o trato urinário e o sistema reprodutor masculino.

Além de serem especialistas em urologia, os cirurgiões que realizam a nefrectomia parcial robótica também devem possuir habilidades e experiência específicas em cirurgia robótica. A formação e a prática em cirurgia robótica são essenciais para garantir que o profissional seja capaz de realizar o procedimento com segurança e eficácia.

 

Selecionando o Profissional Adequado

Ao procurar um urologista para tratar problemas renais, é importante considerar fatores como experiência, qualificações e histórico de sucesso no tratamento de pacientes com condições semelhantes. Além disso, é fundamental verificar se o médico possui treinamento e experiência em cirurgia robótica, pois essa técnica requer conhecimentos e habilidades específicas.

Ao selecionar um profissional, não hesite em fazer perguntas sobre o número de procedimentos robóticos realizados, as taxas de sucesso e as possíveis complicações associadas à cirurgia. Uma comunicação aberta e transparente com o médico é fundamental para estabelecer confiança e garantir que você se sinta à vontade ao longo do tratamento.

 

O Papel da Educação e da Informação

Estar bem informado sobre o seu diagnóstico e as opções de tratamento disponíveis é crucial para tomar decisões conscientes sobre sua saúde. Este guia foi desenvolvido para ajudá-lo a entender melhor a nefrectomia parcial robótica e o papel que ela pode desempenhar no tratamento de tumores renais. Ao longo deste artigo, abordaremos em detalhes o procedimento, suas vantagens e os possíveis riscos associados, além de responder às perguntas mais comuns dos pacientes. A informação fornecida aqui pretende servir como um recurso valioso para auxiliar na sua tomada de decisão e preparação para a cirurgia, caso seja a opção recomendada pelo seu médico.

 

A Importância do Acompanhamento Pós-operatório

O sucesso da nefrectomia parcial robótica não se resume apenas ao procedimento em si, mas também ao acompanhamento pós-operatório realizado pelo urologista. O seguimento adequado permite monitorar a recuperação do paciente, identificar possíveis complicações precocemente e garantir que a função renal seja preservada ao longo do tempo.

É fundamental que os pacientes sigam as orientações e recomendações do médico no pós-operatório, incluindo a realização de exames de imagem e laboratoriais conforme indicado, para garantir uma recuperação bem-sucedida e manter a saúde renal a longo prazo.

 

A nefrectomia parcial robótica é um procedimento inovador que oferece benefícios significativos aos pacientes com tumores renais pequenos e localizados. Entender o processo envolvido e a importância de selecionar um urologista especializado em cirurgia robótica são aspectos cruciais para garantir o sucesso do tratamento.

Este guia abrangente tem como objetivo fornecer informações detalhadas sobre a nefrectomia parcial robótica e ajudá-lo a tomar decisões informadas sobre sua saúde renal. Ao longo deste artigo, exploraremos ainda mais o procedimento, suas vantagens e como ele se compara a outras abordagens cirúrgicas disponíveis. A educação e a informação são fundamentais para que você possa enfrentar com confiança o tratamento e recuperação.

 

O que é uma nefrectomia parcial?

 

Definição do procedimento

A nefrectomia parcial é uma cirurgia que envolve a remoção de uma parte do rim afetada por uma lesão, como um tumor, enquanto preserva o restante do tecido renal saudável. Este procedimento é considerado uma abordagem “conservadora” de tratamento, pois tem como objetivo manter a função renal o máximo possível, reduzindo o risco de insuficiência renal no futuro.

A cirurgia geralmente é realizada com o auxílio de um sistema cirúrgico robótico, como o Da Vinci, que permite ao cirurgião realizar movimentos precisos e controlados com maior visibilidade do campo cirúrgico. A nefrectomia parcial robótica tem se mostrado uma opção eficaz e segura, com resultados superiores em comparação às técnicas abertas ou laparoscópicas convencionais.

 

Indicações clínicas para a nefrectomia parcial

A nefrectomia parcial pode ser indicada para tratar diversas condições renais, sendo a mais comum a presença de tumores renais. A cirurgia é geralmente recomendada nos seguintes casos:

  1. Tumores renais menores e localizados: A nefrectomia parcial é considerada o tratamento padrão para tumores renais menores que 4 cm (estágio T1a), embora também possa ser realizada em tumores de até 7 cm (estágio T1b) em alguns casos.
  2. Rins com função comprometida: Para pacientes com função renal reduzida ou apenas um rim funcional, a nefrectomia parcial pode ser a melhor opção de tratamento, já que preserva o tecido renal saudável e reduz o risco de insuficiência renal futura.
  3. Tumores complexos: Em alguns casos, tumores renais complexos ou localizados próximos a estruturas vitais, como artérias e veias, podem ser tratados com sucesso por meio da nefrectomia parcial robótica, graças à precisão e controle proporcionados pela tecnologia.
  4. Condições hereditárias: Pacientes com condições hereditárias que predispõem ao desenvolvimento de múltiplos tumores renais, como a síndrome de von Hippel-Lindau, podem se beneficiar da nefrectomia parcial, uma vez que preserva a função renal ao longo do tempo.

 

Avaliação pré-operatória e planejamento cirúrgico

Antes de realizar a nefrectomia parcial, o cirurgião deve realizar uma avaliação completa do paciente, incluindo exames de imagem, como ultrassonografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, para determinar o tamanho, a localização e a complexidade do tumor renal. Essas informações são essenciais para planejar a abordagem cirúrgica mais adequada e minimizar os riscos de complicações.

Além disso, é importante avaliar a função renal do paciente por meio de exames laboratoriais, como a taxa de filtração glomerular (TFG) e a creatinina sérica, para garantir que a cirurgia seja realizada com segurança e que o paciente possa se beneficiar da abordagem conservadora da nefrectomia parcial. Outros fatores a serem considerados na avaliação pré-operatória incluem a idade, o estado geral de saúde do paciente e a presença de comorbidades, como diabetes ou hipertensão, que podem afetar a recuperação após a cirurgia.

 

Alternativas à nefrectomia parcial

Embora a nefrectomia parcial seja geralmente a opção preferencial para o tratamento de tumores renais pequenos e localizados, existem outras alternativas de tratamento que podem ser consideradas, dependendo das características específicas do tumor e das condições de saúde do paciente:

  1. Nefrectomia radical: Esta cirurgia envolve a remoção completa do rim afetado, juntamente com a gordura circundante e, às vezes, as glândulas suprarrenais e os linfonodos regionais. A nefrectomia radical pode ser indicada para tumores maiores ou mais invasivos que não são adequados para a nefrectomia parcial.
  2. Ablação por radiofrequência ou crioterapia: Esses procedimentos minimamente invasivos utilizam energia de radiofrequência ou frio extremo para destruir tumores renais pequenos e localizados. Eles podem ser uma opção para pacientes que não são candidatos à cirurgia ou que preferem um tratamento menos invasivo.
  3. Vigilância ativa: Em alguns casos, especialmente para pacientes idosos ou com comorbidades significativas, o médico pode optar por monitorar o tumor renal sem tratamento imediato. Isso geralmente envolve a realização regular de exames de imagem para acompanhar o crescimento do tumor e avaliar se o tratamento se torna necessário no futuro.

 

A evolução da nefrectomia parcial: do método aberto à robótica

 

Breve histórico sobre a evolução das técnicas cirúrgicas para nefrectomia parcial

A nefrectomia parcial tem suas raízes na cirurgia renal aberta, que remonta ao final do século XIX e início do século XX. No entanto, foi apenas nas últimas décadas que a técnica evoluiu significativamente, com a introdução da laparoscopia e, posteriormente, da cirurgia robótica. Esses avanços permitiram maior precisão e controle durante o procedimento, além de reduzir o tempo de recuperação e minimizar as complicações associadas à cirurgia aberta.

 

Comparação entre os métodos aberto, laparoscópico e robótico

  1. Nefrectomia parcial aberta: Esta técnica cirúrgica envolve a realização de uma incisão grande na região abdominal ou nas costas do paciente para acessar o rim afetado. Embora a nefrectomia parcial aberta seja um método eficaz para tratar tumores renais, ela apresenta desvantagens significativas em comparação com as abordagens minimamente invasivas, incluindo maior dor pós-operatória, tempo de recuperação mais longo, maior risco de infecção e perda de sangue, além de cicatrizes maiores.
  2. Nefrectomia parcial laparoscópica: Introduzida na década de 1990, a nefrectomia parcial laparoscópica é uma técnica minimamente invasiva que utiliza instrumentos finos e uma câmera para acessar e remover o tumor renal através de pequenas incisões na região abdominal. A abordagem laparoscópica oferece algumas vantagens em comparação à cirurgia aberta, como menor dor pós-operatória, recuperação mais rápida e menor risco de complicações. No entanto, a técnica laparoscópica pode ser mais desafiadora e demorada para o cirurgião, devido à limitação dos movimentos e à falta de profundidade na visualização do campo cirúrgico.
  3. Nefrectomia parcial robótica: A cirurgia robótica, utilizando sistemas como o Da Vinci, revolucionou a nefrectomia parcial ao proporcionar maior precisão, controle e visibilidade durante o procedimento. Através de pequenas incisões na região abdominal, o cirurgião controla os braços robóticos para realizar a cirurgia com movimentos precisos e em três dimensões. Esta abordagem oferece várias vantagens em comparação aos métodos aberto e laparoscópico, incluindo menor dor pós-operatória, recuperação mais rápida, menor risco de complicações, menor perda de sangue e melhores resultados funcionais e oncológicos.

 

Vantagens e desvantagens de cada método

Cada abordagem cirúrgica para a nefrectomia parcial tem suas vantagens e desvantagens específicas. A cirurgia aberta oferece acesso direto ao rim e permite ao cirurgião manipular o órgão com as mãos. No entanto, a recuperação é geralmente mais lenta e dolorosa, e há maior risco de complicações, como infecção e perda de sangue.

A abordagem laparoscópica representa um avanço significativo em relação à cirurgia aberta, com menor dor pós-operatória, recuperação mais rápida e menor risco de complicações. No entanto, a técnica laparoscópica ainda apresenta desafios, como a limitação dos movimentos e a falta de profundidade na visualização do campo cirúrgico, o que pode tornar o procedimento mais demorado e exigente para o cirurgião.

A cirurgia robótica, por outro lado, oferece o melhor dos dois mundos, combinando os benefícios das técnicas minimamente invasivas com a precisão e o controle aprimorados proporcionados pela tecnologia robótica. As vantagens da nefrectomia parcial robótica incluem:

  • Menor dor pós-operatória e uso reduzido de analgésicos
  • Tempo de recuperação mais curto e retorno mais rápido às atividades normais
  • Menor risco de complicações, como infecção e perda de sangue
  • Melhores resultados funcionais e oncológicos, graças à precisão e ao controle aprimorados durante a cirurgia

 

A técnica da nefrectomia parcial robótica

 

Descrição detalhada do procedimento e das etapas envolvidas

A nefrectomia parcial robótica é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo que envolve várias etapas, desde a preparação do paciente até a conclusão da cirurgia. Aqui está uma descrição detalhada das etapas envolvidas:

  1. Preparação do paciente: O paciente é posicionado de forma adequada na mesa cirúrgica, geralmente de lado, e é anestesiado.
  2. Acesso ao rim: O cirurgião realiza várias pequenas incisões na região abdominal ou nas costas do paciente, por onde são inseridos os instrumentos cirúrgicos e a câmera.
  3. Insuflação: O espaço abdominal é insuflado com gás dióxido de carbono para criar um campo operatório amplo e seguro.
  4. Introdução do robô Da Vinci: Os braços robóticos são posicionados e acoplados aos trocartes inseridos nas incisões.
  5. Dissecção e localização do tumor: O cirurgião controla os braços robóticos do console e utiliza a visão tridimensional para identificar e isolar o tumor renal e os vasos sanguíneos circundantes.
  6. Controle dos vasos sanguíneos: Os vasos sanguíneos que alimentam o tumor são temporariamente ocluídos para reduzir o sangramento durante a cirurgia.
  7. Ressecção do tumor: O tumor é cuidadosamente removido do rim saudável com a ajuda dos instrumentos robóticos de alta precisão.
  8. Reparo do rim: Após a remoção do tumor, o tecido renal saudável remanescente é suturado e/ou colado para garantir uma boa cicatrização e recuperação da função renal.
  9. Remoção do espécime: O tumor é extraído do paciente através de uma das incisões ou utilizando um saco de extração especial.
  10. Finalização: Os instrumentos e o robô Da Vinci são retirados, e as incisões são fechadas com suturas ou grampos.

 

Equipamentos e tecnologias utilizadas durante a cirurgia

A nefrectomia parcial robótica utiliza tecnologias avançadas e equipamentos de última geração, como o sistema cirúrgico robótico Da Vinci. Este sistema inclui:

  1. Console do cirurgião: Uma estação de trabalho a partir da qual o cirurgião controla os braços robóticos e visualiza o campo cirúrgico em tempo real e com ampliação tridimensional.
  2. Braços robóticos: Equipados com instrumentos cirúrgicos de alta precisão, os braços robóticos replicam os movimentos do cirurgião de maneira mais precisa e com maior amplitude de movimento.
  3. Câmera de alta definição: Uma câmera endoscópica que oferece ao cirurgião uma visão ampliada e tridimensional do campo cirúrgico.

 

Habilidades e experiência necessárias para um cirurgião realizar a técnica com sucesso

Para realizar a nefrectomia parcial robótica com sucesso, um cirurgião deve possuir habilidades e experiência específicas, incluindo:

  1. Formação e treinamento em cirurgia robótica: O cirurgião deve passar por treinamento especializado em cirurgia robótica, o que inclui cursos teóricos, treinamento em laboratório e prática supervisionada em casos reais.
  2. Experiência em cirurgia urológica: Além do treinamento em cirurgia robótica, o cirurgião deve ter experiência em cirurgia urológica aberta e laparoscópica, garantindo uma compreensão completa da anatomia e das técnicas cirúrgicas envolvidas.
  3. Habilidades de coordenação e destreza manual: O sucesso da cirurgia robótica depende em grande parte da habilidade do cirurgião em controlar os braços robóticos e os instrumentos cirúrgicos com precisão e sutileza.
  4. Capacidade de trabalhar em equipe: A cirurgia robótica requer uma equipe cirúrgica bem coordenada, incluindo cirurgiões, anestesistas e enfermeiros, que devem trabalhar em conjunto para garantir um procedimento seguro e eficiente.
  5. Habilidade para tomar decisões rápidas e eficazes: Durante a cirurgia, o cirurgião pode enfrentar situações imprevistas que exigem decisões rápidas e acertadas para garantir a segurança do paciente e o sucesso do procedimento.

Ao escolher um cirurgião para realizar uma nefrectomia parcial robótica, é essencial considerar a formação, a experiência e as habilidades específicas do profissional, bem como a qualidade e a reputação da instituição onde a cirurgia será realizada.

 

Vantagens da nefrectomia parcial robótica

 

Menor tempo de internação e recuperação

Uma das principais vantagens da nefrectomia parcial robótica é a redução do tempo de internação e recuperação pós-operatória. Como é um procedimento minimamente invasivo, a cirurgia robótica causa menos trauma aos tecidos e órgãos circundantes, o que resulta em menos dor e desconforto para o paciente. Isso, por sua vez, permite uma recuperação mais rápida e um retorno mais precoce às atividades normais, incluindo o trabalho e as atividades físicas.

 

Redução do sangramento e risco de complicações

Outro benefício importante da nefrectomia parcial robótica é a redução do sangramento e do risco de complicações associadas à cirurgia. A precisão e o controle aprimorados proporcionados pelo sistema cirúrgico robótico permitem ao cirurgião realizar a cirurgia com maior segurança e eficiência, minimizando a perda de sangue e o risco de complicações, como infecção, lesão de órgãos adjacentes e estenose da pelve renal.

 

Precisão e controle aumentados durante a cirurgia

A tecnologia robótica oferece ao cirurgião um controle e uma precisão excepcionais durante a nefrectomia parcial. O sistema Da Vinci possui uma visão tridimensional ampliada do campo cirúrgico e instrumentos que replicam os movimentos da mão do cirurgião com extrema precisão, permitindo uma melhor visualização e dissecção do tumor e do tecido renal circundante. Isso resulta em um procedimento mais preciso e eficiente, com menor chance de danificar o tecido renal saudável e maior chance de preservar a função renal após a cirurgia.

 

Resultados clínicos e funcionais superiores em comparação aos outros métodos

A nefrectomia parcial robótica tem demonstrado resultados clínicos e funcionais superiores em comparação com os métodos abertos e laparoscópicos. Estudos têm mostrado que pacientes submetidos à nefrectomia parcial robótica apresentam maior preservação da função renal, menor perda de sangue, menor taxa de conversão para nefrectomia radical e menor necessidade de transfusão sanguínea. Além disso, a cirurgia robótica tem se mostrado eficaz na preservação da função renal em pacientes com tumores renais complexos e de difícil acesso, onde a cirurgia aberta ou laparoscópica pode ser mais arriscada e desafiadora.

 

Perguntas frequentes sobre a nefrectomia parcial robótica

 

Como me preparar para a cirurgia?

Antes da nefrectomia parcial robótica, você passará por uma série de exames e avaliações para garantir que está apto para o procedimento. Seu médico pode solicitar exames de sangue, urina, eletrocardiograma e outros exames de imagem. É importante informar seu médico sobre todos os medicamentos e suplementos que você está tomando, pois alguns podem precisar ser ajustados ou interrompidos antes da cirurgia. Também é recomendável parar de fumar e seguir uma dieta saudável para ajudar na recuperação.

 

O que posso esperar no pós-operatório?

Após a cirurgia, você será encaminhado à sala de recuperação e monitorado de perto pela equipe médica. É normal sentir algum desconforto e dor no local da incisão, que geralmente é controlado com analgésicos. A maioria dos pacientes recebe alta do hospital em 1 a 3 dias após a cirurgia. Durante o período de recuperação, siga as orientações do seu médico em relação à medicação, atividade física e cuidados com a incisão. É importante também comparecer às consultas de acompanhamento para monitorar sua recuperação e função renal.

 

Quais são os riscos associados à nefrectomia parcial robótica?

Como qualquer procedimento cirúrgico, a nefrectomia parcial robótica possui alguns riscos, embora sejam geralmente baixos. Possíveis complicações incluem infecção, sangramento, lesão em órgãos adjacentes, estenose da pelve renal e conversão para nefrectomia radical. Fatores como idade, condição geral de saúde e experiência do cirurgião podem afetar o risco de complicações. Discuta seus riscos individuais e preocupações com seu médico antes da cirurgia.

 

Qual é o tempo médio de recuperação após a cirurgia?

O tempo de recuperação após a nefrectomia parcial robótica varia de acordo com cada paciente e a complexidade do procedimento. Em geral, a maioria dos pacientes pode retomar suas atividades normais dentro de 2 a 4 semanas após a cirurgia. No entanto, atividades extenuantes e exercícios pesados devem ser evitados por um período mais longo, conforme orientação médica.

 

Quais são as chances de preservar a função renal após a cirurgia?

A nefrectomia parcial robótica tem como objetivo principal a preservação da função renal, removendo apenas o tumor e parte do tecido renal afetado. Estudos mostram que a cirurgia robótica tem uma alta taxa de sucesso na preservação da função renal, especialmente quando realizada por cirurgiões experientes. No entanto, é importante lembrar que cada caso é único e diversos fatores, como o tamanho e a localização do tumor, podem afetar os resultados.

 

A nefrectomia parcial robótica é a melhor opção para todos os pacientes com tumores renais?

Embora a nefrectomia parcial robótica seja uma opção inovadora e eficaz para muitos pacientes com tumores renais, a escolha do tratamento mais adequado depende de uma série de fatores, como o tamanho, localização e estágio do tumor, bem como a saúde geral do paciente. Em alguns casos, outras abordagens, como a nefrectomia aberta, laparoscópica ou até mesmo o tratamento conservador, podem ser mais apropriadas.

É fundamental que você discuta todas as opções de tratamento com seu médico urologista para determinar a melhor abordagem para o seu caso específico. A escolha do tratamento deve ser baseada em uma avaliação individualizada dos riscos e benefícios, levando em consideração as preferências do paciente e a experiência do cirurgião.

 

Conclusão

 

A importância de um urologista experiente em nefrectomia parcial robótica

A nefrectomia parcial robótica é uma técnica inovadora e eficaz no tratamento de tumores renais, proporcionando uma série de benefícios em relação às abordagens convencionais. No entanto, a experiência e habilidade do cirurgião são fatores cruciais para o sucesso do procedimento e para garantir a preservação da função renal. Ao procurar um urologista para tratar problemas renais, é importante selecionar um profissional com vasta experiência em cirurgia robótica e que esteja atualizado sobre as últimas inovações e práticas na área.

 

Busque informações e esclareça suas dúvidas

Antes de se submeter a uma nefrectomia parcial robótica, é fundamental entender todos os aspectos do procedimento, incluindo os riscos, benefícios e expectativas relacionadas à recuperação. Não hesite em fazer perguntas ao seu médico e discutir suas preocupações. Uma comunicação aberta e transparente é essencial para garantir que você esteja bem informado e confiante em sua decisão de prosseguir com a cirurgia.

 

Agende uma consulta com um especialista

Se você está enfrentando problemas renais ou foi diagnosticado com um tumor renal, agendar uma consulta com um urologista especializado em nefrectomia parcial robótica é o primeiro passo para garantir o melhor tratamento possível. Durante a consulta, o médico avaliará sua condição e discutirá as opções de tratamento adequadas, incluindo a possibilidade de nefrectomia parcial robótica. Juntos, você e seu médico podem determinar a melhor abordagem para o seu caso específico, levando em consideração fatores como tamanho e localização do tumor, bem como sua saúde geral e expectativas de recuperação.

Em conclusão, a nefrectomia parcial robótica é um avanço significativo no tratamento de tumores renais, oferecendo inúmeras vantagens em comparação com os métodos tradicionais. Para garantir os melhores resultados possíveis, é essencial procurar um urologista experiente em cirurgia robótica e estar bem informado sobre o procedimento. Lembre-se de que cada paciente é único e que o tratamento adequado deve ser determinado em conjunto com seu médico.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Categorias
urologista

Dr. Petronio Melo

CRM-SP 157.598 – RQE 70.725

  • Doutorado pela Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo (USP)
  • Certificação em Cirurgia Robótica pela Intuitive Surgical
  • Membro da American Urological Association (AUA)
  • Membro da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)

DÚVIDAS?

Categorias
urologista

Dr. Petronio Melo

CRM-SP 157.598

– Urologista, Andrologista e Cirurgião Robótico

– Certificação em Cirurgia Robótica pela Intuitive Surgical (Sunnyvale, Califórnia, EUA).

– Doutorado na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)

DÚVIDAS?

Agende com um especialista

Se você está interessado em saber mais sobre a nefrectomia parcial robótica e como ela pode ser aplicada ao seu caso específico, entre em contato com o meu consultório. Estamos à disposição para fornecer informações detalhadas sobre o procedimento e ajudar a esclarecer quaisquer dúvidas que você possa ter. A educação do paciente é uma parte essencial do processo de tratamento e estamos comprometidos em garantir que você tenha acesso a todas as informações necessárias para tomar uma decisão informada sobre o seu tratamento.

A melhor maneira de entender se a nefrectomia parcial robótica é a opção de tratamento mais adequada para você é agendar uma consulta com um urologista especializado. Durante a consulta, avaliaremos sua condição e discutiremos todas as opções de tratamento disponíveis, incluindo a nefrectomia parcial robótica. Juntos, podemos determinar a abordagem mais eficaz para o seu caso específico, levando em consideração sua saúde geral e expectativas de recuperação.

Se você deseja obter mais informações sobre a nefrectomia parcial robótica ou agendar uma consulta, entre em contato conosco pelos telefones (11) 91060-1374 e (11) 2659-4092. Nosso consultório está localizado na Rua Domingos de Morais, 2187, Bloco Paris – conj. 210, Vila Mariana, São Paulo, SP, Brasil, CEP 04035-000. Você também pode visitar nosso site em https://www.drpetroniomelo.com.br para saber mais sobre nossos serviços e especialidades.

Não hesite em entrar em contato conosco. Estamos à disposição para ajudá-lo a tomar a decisão certa em relação ao tratamento de problemas renais e garantir que você receba os cuidados mais avançados e eficazes disponíveis. Estamos ansiosos para ajudá-lo em sua jornada rumo a uma vida mais saudável e livre de problemas renais.

Atendimento com Urologista

Entre em contato e agende a sua consulta 

São Paulo - SP

R. Domingos de Morais, 2187, Bloco Paris – conj. 210
Vila Mariana, CEP 04035-000

Atendimento online

Horário de atendimento: 08:00 às 20:00
consultorio urologia vila mariana

São Paulo, SP

Consulta presencial

favicon petronio melo

Telemedicina

Consulta online